A complexidade dos exames toxicológicos

A realização de exames toxicológicos no meio profissional tem crescido a cada dia, principalmente por existir uma grande preocupação em torno da segurança e desempenho na realização de atividades específicas.

Em geral, a solicitação de verificação do uso ou não de substâncias psicoativas através dos exames toxicológicos é indicada para motoristas que queiram tirar ou renovar a carteira de habilitação nas categorias C, D e E, aprovados em concursos públicos e esportistas.

Além disso, é bastante comum e essencial no âmbito forense, em casos de suicídio e homicídio e também no auxílio a acompanhamento de usuários de drogas em tratamento e em pesquisas voltadas a área.

A matriz biológica para análise depende muito da finalidade acerca da mesma, o que justifica a complexidade dos exames toxicológicos.

Qual o material coletado em exames toxicológicos?

Normalmente são utilizados fluidos corporais como suor, sangue, saliva, urina e amostras de queratina através de pêlos, unhas e cabelo. Sendo esse último o principal material colhido nos laboratórios.

Entenda as peculiaridades e a complexidade dos exames toxicológicos:

  • O exame feito a partir da amostra de sangue é ideal para identificar se a pessoa está sob efeito de alguma substância psicoativa no momento da coleta do material biológico;
  • Em casos de acidente de trânsito com vítimas, o sangue e o ar exalado (para detectar a presença de álcool no organismo) são os mais utilizados;
  • Já o exame toxicológico realizado através da urina ajuda a identificar o contato recente com quaisquer substâncias, que pode já não ser detectada no sangue com o passar dos dias;
  • O teste de urina é capaz de detectar a presença de maconha até 20 dias após o último uso e de cocaína até uma semana após o uso no caso de usuários constantes;
  • Em caso de usuários eventuais o tempo descrito acima diminui para 15 e 4 dias, respectivamente;
  • Vale salientar que a amostra de urina não permite distinguir o usuário leve, moderado e pesado de substâncias psicoativas;
  • O cabelo, como já dissemos, é uma matriz bastante utilizada pelos laboratórios. Ele ajuda a identificar substâncias utilizadas há algum tempo (há meses ou anos), por ser altamente estável;
  • No entanto, o teste toxicológico do cabelo não permite identificar o consumo no momento da coleta ou o consumo recente de alguma substância;
  • Qualquer que seja a substância utilizada, ela só começa a aparecer no cabelo por volta de 7 a 10 dias após o uso;
  • Para a análise de dopagem, a urina é uma boa matriz biológica, pois mostra se o atleta fez uso recente da substância química;
  • Já para casos de crime ocorrido supostamente sobre efeito de drogas psicoativas, o teste toxicológico ideal a ser feito é através do sangue, pois é possível averiguar se a pessoa estava sob efeito da substância no momento do crime.

Vantagens e desvantagens das principais matrizes de análise toxicológica:

Sangue (vantagens) – facilidade da coleta, disponibilidade em grande quantidade e possibilidade de detecção logo após o contato com a substância, antes de ela ser metabolizada.

Sangue (desvantagens) - coleta invasiva e que possui uma matriz complexa, com muitos interferentes para análise.

Urina (vantagens) – fácil coleta e presença da substância tanto na forma original como na metabolizada.

Urina (desvantagens) – maior risco de adulteração e diluição.

Cabelo (vantagens) – a detecção de substâncias utilizadas há meses ou anos.

Cabelo (desvantagens) – custo maior, possibilidade de contaminação ambiental e falta de correlação entre a concentração de substâncias no cabelo com a dose e/ou o tempo de administração.

Confira as medidas de segurança para a realização dos exames toxicológicos:

  • Na coleta de sangue é preciso atenção na escolha correta do anticoagulante;
  • No cabelo, cuidado redobrado para evitar contaminação externa;
  • Atenção especial ao uso de medicamentos que podem interferir na diminuição ou aumento de substâncias psicoativas no sangue do indivíduo;
  • Olhar direcionado a detalhes relacionados ao cabelo, como uso de tintas;
  • Lavagem do cabelo antes da coleta, utilizando solventes aquosos ou uma combinação de solventes orgânicos;
  • Cuidados com a conservação, calibração e limpeza de equipamentos utilizados na coleta e análise das amostras;
  • Treinamento e capacitação constante dos funcionários;
  • A coleta deve ser assistida por testemunhas;
  • Todos os documentos relacionados devem ser devidamente preenchidos e assinados.

Por fim, devido à complexidade dos exames toxicológicos, todos os cuidados nos procedimentos devem passar pela coleta, identificação, pelo correto armazenamento, acondicionamento, manipulação e transporte das amostras sempre com bastante segurança. Clique aqui para saber mais sobre erros pré-analíticos em exames laboratoriais.

Inclusive no que diz respeito à guarda de parte do material para eventuais análises futuras e elaboração de parecer e laudo final.Para saber mais sobre o armazenamento do material coletado em análises, clique aqui para ler sobre Soroteca.

Seu laboratório realiza exames toxicológicos? Com qual frequência e para quais finalidades? Compartilhe com a gente sua experiência no assunto.

Compartilhe essa página

Deixe seu comentário