Hospitais investem cada vez mais em aparelhos tecnológicos

O futuro já é agora. Cada vez mais hospitais estão investindo em aparelhos tecnológicos para facilitar diagnósticos e otimizar o tempo de médicos, enfermeiros e pacientes.

O que parece uma cena de ficção científica, em 2017 já é algo normal na rotina de muitos hospitais, que investem cada vez mais em aparelhos tecnológicos para facilitar a rotina de atendimentos, exames, diagnósticos, procedimentos e até cirurgias.

Essas máquinas, equipamentos e softwares aliam rapidez, segurança e muito mais conforto para os pacientes.

Conheça alguns hospitais que já investiram em aparelhos de ponta para tornar a ficção científica numa realidade cotidiana:

Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Em 2017, a previsão de gastos com equipamentos tecnológicos para as instalações do hospital é de R$75 milhões (o que representa um aumento de 30% em relação ao ano passado).

Logo em novembro de 2016, o hospital adquiriu dois robôs de telepresença, que funcionam 24 horas por dia sem intervalo e transmitem imagens ao vivo de 360 graus do ambiente. Esses robôs ajudam a equipe médica a se comunicar e acompanhar pacientes mesmo à distância.

Essa tecnologia se mostra muito útil quando um paciente tem uma emergência e seu médico responsável não pode estar presente fisicamente, mas pode orientar e instruir a equipe mesmo de longe.

Outra novidade que o hospital trouxe foi a implementação da ferramenta ELSIE, um software que funciona mapeando o genoma humano, "traduzindo” informações relevantes para médicos terem mais facilidade em formular diagnósticos e prescrever tratamentos.

Hospital do Coração

O hospital é o primeiro a utilizar o equipamento conhecido como Gamma Knife, que é altamente eficaz no combate a doenças como Parkinson e Alzheimer. Ele funciona através de raios gama que atravessam o crânio do paciente e atuam diretamente na área afetada, sem prejudicar áreas sadias, o que acontece com aparelhos menos modernos.

Hospital Beneficência Portuguesa

A Beneficência Portuguesa é pioneira na realização de tratamentos na área de circulação sanguínea. Desde 2015, ela realiza o procedimento de cateterismo com ajuda do TAVI, um equipamento chamado Implante Transcateter Valvar Aórtico, que realiza o cateterismo sem a necessidade de se realizar uma cirurgia de peito aberto, sendo instalado na perna do paciente ao invés disso.

Esses são apenas alguns exemplos do que a tecnologia é capaz de fazer na área da saúde. Equipamentos, softwares e robôs são cada vez mais uma opção para usar a inteligência artificial no uso da gestão de clínicas, laboratórios e hospitais.

Compartilhe essa página

Deixe seu comentário